Abrigos para insectos auxiliares

Inúmeros insectos vivem à nossa volta. Neste mundo altamente urbanizado eles precisam da nossa ajuda e nós da ajuda deles. Os insectos necessitam de alimento e abrigo, duas coisas que podemos providenciar facilmente na nossa horta ou jardim. Favorecer a vida destes animais, além de criar um ambiente de vida agradável, também assegura o equilíbrio biológico sem a utilização de substâncias químicas nas nossas plantações. Para termos um bom equilíbrio biológico na nossa horta, precisamos destes aliados, eles são os heróis com que contamos quando se trata da polinização ou quando as pragas atacam as nossas culturas. Devido à sua função na horta damos o nome de “insectos auxiliares”.

O que fazer pelos insectos?

Durante os períodos de inactividade, Outono e Inverno, eles procuram refúgio nas cascas das árvores, pedaços de madeira velha e folhas, com o intuito de se abrigarem e reproduzirem. Para encontrar esses esconderijos, eles por vezes afastam-se bastante da nossa horta e, para evitar que isso aconteça, devemos criar condições para a sua permanência durante todo ano. Em primeiro lugar, devemos ter plantas que atraiam os insectos desejados para a nossa horta, normalmente plantas silvestres e em segundo lugar, um abrigo artificial que responda a todas as necessidades destes ajudantes. Este tipo de abrigo é chamado de “Hotel de insectos” ou “Casa de insectos”, refúgios cada vez mais populares na Europa, devido à sua aplicação na agricultura biológica e também ao aumento da consciência ecológica na sociedade.

Quais sãos os insectos auxiliares?

Os insectos auxiliares podem ser divididos de duas maneiras consoante a sua função na horta, insectos predadores de pragas e insectos polinizadores.
Relativamente aos predadores os mais conhecidos são as joaninhas, estas são insaciáveis no combate aos pulgões que atacam a seiva das plantas. Uma única joaninha pode comer até 100 pulgões por dia, cerca de 4000 na vida inteira. As joaninhas também comem ácaros, moscas da fruta, piolhos da folha e lagartas pequenas. Para as atrair deve-se plantar funcho, cominho, cenoura, coentro e dente de leão. A Louva-a-deus é outro insecto predador, a sua dieta inclui gafanhotos, grilos, moscas, formigas e traças. Outro exemplo de predador que devemos ter na horta é o escaravelho, principalmente os escaravelhos-da-terra que são espantosos a exterminar lagartas, vermes e outros insectos prejudiciais que atacam as plantas.
Nos insectos polinizadores temos as abelhas e as borboletas. A grande maioria das abelhas, cerca de 90%, são solitárias, não vivem em sociedade com a rainhas e as operárias por isso a necessidade de criarmos um abrigo para elas aumenta. Estas abelhas solitárias criam e tratam do seu próprio ninho, precisam para isso de um pequeno orifício que elas tapam no inverno com lama, pólen ou folhas até ao nascimento da nova geração.

O Hotel de insectos

Estes abrigos devem ser compostos por materiais isolantes naturais: canas, bambu, ramos, restos de troncos e madeira não tratada, tijolos, vasos de cerâmica, cartão e pinhas. Os orifícios para os insectos devem ter entre 3 e 12 mm de diâmetro de maneira a que tanto abelhas como joaninhas consigam habita-los. O hotel deve ter entre 10 a 20 cm de comprimento e ser colocado perto da horta, até 1 m do solo, virado preferencialmente para sul, com boa exposição solar. Todos os anos na primavera ou verão, o abrigo deve ser limpo, prevenindo assim a criação de fungos prejudiciais.

A colocação do abrigo é o primeiro passo, depois os nossos aliados vão aparecer e fazer o resto!

(Comprar Hotel)